O que o bebê tem que comer aos 6 meses?

Até os seis meses de idade você amamentou o seu bebê, e finalmente chegou a hora de começar a apresentar e introduzir outros sabores! Mas o que ele pode comer?

Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), a orientação é começar a instigar o paladar das crianças com produtos in natura, ou seja, alimentos naturais, como frutas. É importante frisar que nesta nova fase, não são indicados alimentos liquidificados, por perderem suas propriedades, mas sim, papinhas! Frutas amassadinhas é a dica.
Além disso, o Guia Alimentar para Crianças Menores de 2 anos, documento oficial do Ministério da Saúde, orienta que sucos não devem ser oferecidos antes do primeiro aniversário, por conta da quantidade de açúcar que contém – cerca de uma vez e meia a mais que uma fruta.

Dessa forma, boas opções de alimentos são:

Purê de frutas – nos lanchinhos da manhã ou da tarde, frutas raspadas ou amassadas como banana, pera, maçã e mamão são boas opções. Você também pode cozinhá-las, mas sem acrescentar açúcar!

Mingau – de cereais, farinhas e amido, partindo de fontes como milho, trigo, arroz e mandioca são excelentes sugestões se estiver de acordo com as orientações do pediatra ou do nutricionista.

Glúten – não estenda sua dieta ao seu filho, pois são organismos completamente diferentes em suas necessidades. O glúten não deve ser afastado do bebê, pois o contato com ele, reduz as chances de qualquer tipo de intolerância alimentar no futuro. Em todo caso, converse com o pediatra.

Legumes – em forma de sopa ou purê, esses alimentos são indispensáveis para o desenvolvimento do seu bebê, por serem ricos em vitaminas, minerais e fibras. Os pratos devem ser feitos sem utilizar sal, permitindo apenas o uso do azeite (quando o prato já estiver pronto) na quantidade de uma colher de chá. Cenourinhas, batata-doce, chuchu, abobrinha, cebola, batata e abóbora são exemplos de opções saudáveis!

Vale ressaltar que ainda que a idade estipulada para a inserção de outros alimentos na dieta do bebê seja 6 meses, isso não será regra, assim como qualquer outra coisa. Cada criança possui um organismo e um ritmo, e isso deve ser respeitado e observado. É legal que você note que ele perceba a existência da comida, como quando quer pegar o que a mãe ou alguém está levando à boca, e quando ele já está se sustentando bem quando se senta.

Agora que você já sabe por qual caminho seguir para iniciar essa nova etapa, lembre-se que inserir outros alimentos não dispensa a amamentação, pois são complementos para o desenvolvimento do seu pequeno. A amamentação continuará sendo elemento fundamental para que seu bebê cresça forte e saudável!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *